RPGBrasil.Org
Se Você não é Membro, Cadastra-se Agora é rapido e fácil.
Venha Participar do Melhor Forum de RPG voltado a um Cenário.
Últimos assuntos
» Arte do combate medieval
Ter Out 09, 2018 2:27 pm por druidadp

» Revista RPGBRASIL.ORG - Edição 03
Qua Out 03, 2018 5:38 pm por druidadp

» RE: E aí tu sabes o que é GNS? Uma tentativa de solução
Sex Set 28, 2018 10:43 pm por draculino

» Caçadores
Dom Set 23, 2018 2:10 pm por druidadp

» O Tokusatsu
Seg Ago 13, 2018 10:57 pm por draculino

» VERSÃO IMPRESSA DO LIVRO BÁSICO
Dom Ago 05, 2018 6:56 pm por druidadp

» Gorilas da Colina
Ter Jul 31, 2018 11:17 am por druidadp

» Template de Cards de Equipamentos
Ter Jul 17, 2018 9:04 pm por druidadp

» Coleção de Aventuras - Livro 7 :: Uivos na Noite
Sex Jul 13, 2018 4:13 pm por Élisson Machado

» BÁRBAROS
Sex Jul 13, 2018 10:03 am por druidadp

» BÁRBAROS
Sex Jul 13, 2018 9:58 am por druidadp

» A Lenda filme de 1985
Qui Jul 12, 2018 10:31 pm por draculino

» Ficha de Personagem: O Faraó Tutu Macedo
Sab Jul 07, 2018 9:55 am por draculino

Os membros mais ativos da semana

Os membros mais ativos do mês
druidadp
 
Fininho
 

Quem está conectado
2 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 2 Visitantes

Nenhum

[ Ver toda a lista ]


O recorde de usuários online foi de 162 em Sab Fev 26, 2011 7:45 am
Conectar-se

Esqueci minha senha

Visitas
Flag Counter

Divindades da Beleza

Ir em baixo

Divindades da Beleza

Mensagem por druidadp em Qua Fev 01, 2017 8:49 am

É galera, muita gente acha polêmico e estranho os ritos e as ações dos adoradores de Mays a divindade que representa a beleza e a perfeição em ERA. Então confira abaixo como a coisa não é tão assim "irreal"!


Toda sociedade é construída por tradições. Algumas delas, no entanto, são extremamente questionáveis, como por exemplo, uma tradição indiana que faz com que bebês sejam lançados do alto de uma torre para que recebam “saúde e vida longa”, ou jovens que precisam se jogar de penhascos amarrados em cordas para provar que se tornaram adultos, como acontece em uma ilha no Oceano Pacífico. O fato é que, dignas ou hediondas, as tradições deixaram legados culturais para toda as sociedades, sejam eles positivos ou negativos.

Mas é sobre uma tradição da Grécia Antiga que nós vamos falar aqui. No período entre IV e V d.C., uma crença difundida entre os gregos falava sobre a existência de demônios e fantasmas que afetavam diretamente as pessoas, personificando seus medos mais terríveis.

Em períodos de guerra, crise ou pragas, por exemplo, era comum que a moral da sociedade ficasse abalada. Para aliviar essa tensão social, um costume sombrio foi difundido entre os gregos: uma cerimônia chamada “Pharmakos”. O ritual consistia em sacrificar uma pessoa “feia” durante a celebração do Targhelia, com a finalidade de livrar a comunidade das desgraças.

Dada a época, as pessoas escolhidas eram, em geral, as que possuíam algum tipo de deficiência, e isso se torna mais óbvio devido à já conhecida obsessão dos gregos pela beleza. Relatos afirmam que escravos, criminosos, assassinos ou até mesmo endividados, também eram selecionáveis para o cargo de bode-expiatório das desgraças da comunidade.


Durante o ritual, que durava dias, a população selecionava dois candidatos, também chamados de “Pharmakos”. Eles eram alimentados com as melhores iguarias da época, usavam boas vestimentas e eram obrigados a usar colares com figos pretos e brancos, para representar os homens e as mulheres respectivamente. Posteriormente, os escolhidos eram expulsos da cidade ou apedrejados até a morte pela população.

Além do culto à beleza e pureza pregado pela sociedade grega antiga, um outro ponto importante fomenta ainda mais a ideia do ritual: o poder do sacrifício humano para a salvação de uma comunidade. Sendo assim, o Phamarkos era a representação da purificação de toda sociedade através do sacrifício de um membro fora dos padrões estabelecidos na época.

A palavra, que curiosamente originou a palavra em inglês “pharmacy” (farmácia), é ambígua. Pode significar remédio ou veneno. O que também representa a dualidade do ritual, que coloca o bode-expiatório como culpado, mas ao mesmo tempo como salvador.

Logicamente que a prática já foi abolida da sociedade e é impensável para os dias de hoje. No entanto, e ao longo dos anos, podemos notar que ela deixou uma “herança maldita”: as pessoas estão fadadas a encontrar e punir culpados para que se sintam melhores. Um exemplo claro disso é a questão dos ladrões amarrados em postes e castigados pela população que, por puro desejo de vingança, resolve fazer justiça com as próprias mãos.

Fonte: http://www.jornalciencia.com/rituais-gregos-antigos-sacrificavam-pessoas-feias-para-aliviar-a-tensao-social/
avatar
druidadp
Administrador

Administrador

Masculino
Número de Mensagens : 18828
Idade : 38
Localização : Varginha - MG
Desde quando você joga RPG? : 1993
Reputação : 101
Pontos : 26650
Data de inscrição : 18/09/2008

http://www.rpgbrasil.org

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum